Tabela de Conversão de Graduação

Tabela de graduação de vias de escalada e correlações com outros sistemas

 

UIAA/Suíça/Áustria (Europa central)

 

Brasil

 

França/Itália/Espanha

 

USA

  

1

 

5.1

I

1+

1

5.2

II

2

2

5.3

III

2+

3

5.4

IV

3

4a

5.5

V-

3+

4b

5.6

V

4

4c

5.7

V+

 

 

 

VI-

4+

5a

5.8

VI

5

5b

5.9

VI+

5+

5c

5.10a

VII-

6

6a

5.10b

VII

  

6a+

5.10c

 

6+

6b

5.10d

VII+

7a

6b+

5.11a

VIII-

7b

6c

5.11b

VIII

7c

6c+

5.11c

 

 

7a

5.11d

VIII+

8a

7a+

5.12a

IX-

8b

7b

5.12b

IX

8c

7b+

5.12c

 

9a

7c

5.12d

IX+

9b

7c+

5.13a

X-

9c

8a

5.13b

 

10a

8a+

5.13c

X

10b

8b

5.13d

 

10c

8b+

5.14a

XI-

11a

8c

5.14b

 

11b

8c+

5.14c

XI

11c

9a

5.14d

 

12a

9a+

5.15a

Excursão: 1ª Grande Concentração Feminina no Pão de Açúcar

Excursão: 1ª Grande Concentração Feminina no Pão de Açúcar

Data: 08.03.1986 sábado

 

Motivo: Comemoração do Dia Internacional da Mulher

 

Presentes: 21 mulheres

 

Adriana Takche de Toledo

Alessandra Takche de Toledo

Ana Piltz

Catarina Schleder da Cruz Pinto Pena

Christiane de Castro de Carvalho (Paixão)

Cláudia Augusto de Moraes Russo

Eliana Iasmin Ibarra Inda

Fabiana Schleder da Cruz Pinto Pena

Kátia Torres Ribeiro (Katinha)

Lílian Florêncio White

Lílian Gelly Soares de Souza

Lúcia Maria Alvarenga Duarte

Márcia Maria de Almeida

Maria Angélica de Oliveira Magnago

Neuza Gelly

Nicéa de Araújo Pereira

Norma de Almeida

Rachel Vaitsman Bastos

Rosângela Gelly Soares de Souza

Sheila Gelly Soares de Souza

Solange Gorgulho Drummond

 

Este relatório certamente poderá ser um documento histórico de grande valor aos que se interessarem pelo desenvolvimento do processo de libertação da mulher daqui a alguns anos.

O número de pessoas que tem procurado alguma atividade física relacionada com a natureza vem aumentando de maneira notável; e com isso também o número de mulheres entre seus simpatizantes. Os clubes de montanhismo têm estado apinhados e a grande evolução técnica já é uma realidade brasileira. O número de mulheres que podem fazer escaladas mais ousadas e em muitos casos até guiando é inegável nestes nossos dias.

Em decorrência de todo este processo e como motivo centra o Dia Internacional da Mulher, resolvemos organizar uma grande concentração feminina. Começou como uma excursão comum que reuniria as sócias de todos os clubes que estão em atividade e veteranas convidadas. As meninas se distribuiriam por diversas vias de escalada e caminhadas de uma mesma montanha de acordo com o seu grau de desenvolvimento técnico e físico, e se encontrariam no topo para um brinde pela data em questão.

A empolgação foi crescendo, o número de mulheres interessadas foi aumentando e logo se tornou um evento público com intervenção até dos meios de comunicação (jornais e rádios) que anunciavam o acontecimento sem parar.

Trabalhar na Diretoria Social do Cerj de comum acordo com a Paixão é muito bom; isto sem contar todo apoio que recebemos da Diretora de Divulgação Rosângela Gelly e outras associadas que muito contribuíram com o seu entusiasmo e incentivo.

O dia foi chegando e na véspera eu e a Paixão passamos a tarde a dar entrevistas para a imprensa. Esta parte em princípio é muito empolgante, mas depois começa a cansar até que começamos a preferir que não houvesse reportagem no meio. Isto porque às vezes eles escrevem bem – com apenas algumas falhas, outras vezes dão outro enfoque para fazer maior sensacionalismo e desvirtuam o verdadeiro sentido do montanhismo. Para mostrar esta diferença deixo junto destes os recortes de duas reportagens sobre este evento.

Ainda sobre a publicidade posso destacar a cobertura do Globo Sport numa ótima entrevista feita pela Isabela Scalabrini que foi no ar após o Jornal Hoje de sábado mesmo.

O tempo não colaborou, muito pelo contrário, caíram fortes chuvas no Rio de Janeiro desde a quinta-feira e no sábado pela manhã ainda chovia. A chuva causou sérios estragos por toda cidade e isto desestimulou algumas das participantes inscritas. Mas, para a minha surpresa, apesar dos pesares compareceram ao local de encontro vinte e uma mulheres. Elas disseram que tinham certeza de que eu iria, e foram também. Fiquei muito feliz por vê-las lá.

A chuva que caiu durante a madrugada tornou impraticável as escaladas até então planejadas; até mesmo pelo Costão. Então, resolvemos que o evento não deveria deixar de acontecer e decidimos subir o Morro da Urca pela caminhada e de lá ir até o topo do Pão de Açúcar de bondinho onde comemoramos com champagne. E assim foi.

Tivemos o prazer de contar com a presença de Dona Nicéa do CEB, que é a viúva do Sr. Ivo Pereira nosso querido companheiro falecido a poucos meses. Ela não fez a caminhada, mas sua presença muito nos agradou.

Esta festa contou também com camisetas, brilhantemente sugeridas pela Bia, e a criatividade toda especial do Sérgio Sena que retratou a figura de uma fêmea do estilo mulher maravilha toda equipada para escalar tendo ao fundo o Pão de Açúcar. Esta camiseta fez muito sucesso entre as meninas.

Não sei se como relatório este texto vai de encontro às necessidades do clube, mas é a expressão sincera do meu ponto de vista e do turbilhão que foi esta 1ª Grande Concentração Feminina no Pão de Açúcar.

 

 

Norma de Almeida

Sítio Novo

Sítio Novo é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte, Nordeste Brasileiro, na micro-região da Borborema Potiguar. Com área de 213 km2 e população de 5.020 habitantes, conforme censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Período de chuvas é de Fevereiro a Maio, conforme indíce histórico da EMPARN para a Borborema potiguar.

Em Sítio Novo encontra-se o Riacho São Pedro, afluente do Rio Potengi, que deságua no Oceano.

Sítio Novo por muitos anos deteve a marca da maior via de escalada do RN, a Cavalo de Tróia, que esta na lista das “50 vias clássicas no Brasil”.

Foto de Cauí Vieira no inicio da via

Está situada a 117km de Natal (Capital Potiguar) pela BR 226 seguindo de Natal por 94km até Tangará (Passando pelos municípios Parnamirim/ Macaíba/ Bom Jesus/ Serra Caiada/Tangará), na Saída de Tangará seguir pela RN 093 até sitio novo  por mais 22,3 km (em Tangará aproveite para experimentar o famoso Pastel de Tangará na lanchonete Sassá Mutema).

 

Porém recentemente com a abertura do bar do Zé do Queijo e da parceria firmada com o Pequeno Felino e Emanoel Messias, há toda uma infra-estrutura de suporte a conquistadores de plantão que já iniciaram novos projetos para povoar melhor as vias nos lindos setores disponíveis, e as conquistas estão acontecendo recentemente em 2017 foram abertas inclusive vias de Highline, viabilizando o acesso a essa outra área do esporte de aventura.

20 Anos de Escalada em Serra Caiada

Serra Caiada é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte, Nordeste Brasileiro, na mesoregião e microregião do Agreste Potiguar. Com área de 167,348km2 e população de 8.774 habitantes, conforme censo de 2010 do Institito Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Período de chuvas é de Março a Junho, conforme indice histórico da emparn para o agreste potiguar.

Em 2012 foi realizado um plebiscito junto ao primeiro turno das eleições municipais para decidir se a população era a favor da mudança do nome da cidade de Presidente Juscelino para Serra Caiada, aprovado com 98,53% dos votos.

A escalada em Serra Caiada teve seu início em 1996, com as primeiras vias grampeadas da Serra, sendo a Grampeleta no Boulder Principal a 1º Proteção Fixa de Serra Caiada e a Genesis na Face leste a primeira via tradicional de Serra Caiada.

Serra Caiada hoje conta com mais de 200 vias de escalada catalogadas, estima-se que esteja perto das 250 entre catalogadas e não catalogadas, além disso comenta-se que seriam as primeiras vias de escalada do nordeste. Existem praticamente dois acessos a Serra Caiada o principal pelo Boulder principal e o acesso ao setor da Ravina, ver guia do encontro de 2012, está situada a 66km de Natal (Capital Potiguar) pela BR 226 seguindo de Natal (Passando pelos municípios Parnamirim/ Macaíba/ Bom Jesus/ Serra Caiada).

No inicio de 2016 Serra Caiada Recebeu o evento mulheres da rocha, em homenagem ao dia internacional da mulher, movimento similar a famosa “1º Grande Concentração Feminina no Pão de Açucar” ocorrido em 1986 e que este ano comemora 30 anos de presença femina.

O Aniversário de 20 anos das primeiras vias de escalada de Serra Caiada, reacendem os cuidados com manutenção de vias de escalada, até quando os grampos originais suportam impactos e quão danificados já estão? algo largamente estudado e apoiado nos Estados Unidos, inclusive com a criação de uma Organização para Regrampeamento de vias de escalada, a safeclimbing.

No aniversário dos 20 anos da escalada no RN nós lançamos o primeiro banco de dados de grampos, chapas e ancoragens defeituosas no Brasil e homenageamos a Grampeleta dando ao banco de dados o seu nome. Nosso intuito é meramente estatistico e informativo para que possamos analisar as informações e entender os impactos e durabilidade das proteções fixas. Nosso banco de dados é aberto para receber informações de vias em quaisquer estados brasileiros, não limitando-se ao nordeste, e disponibilizaremos a versão consolidada do banco de dados sempre que processadas as informações recebidas.

 Como chegar em Serra Caiada:
  • Distância de Natal – 64 km aproximadamente (1 hora).
  • Pegue a RN-063, No final da reta tabajara entre a esquerda em direção a Caicó/Currais Novos e siga por até Serra Caiada.

As coordenadas geográficas são:

  •  Latitude: -6:09:31
  •  Longitude: -35:72:15
  •  Altitude: 401m

O Período de chuvas é de abril a julho.

Mapa Topográfico do Rio Grande do Norte

Maiores informações sobre a escalada no Rio Grande do Norte nos sites da AERN (Associação de Escaladores do RN), e no blog EscaladaRN que disponibiliza uma croquiteca ou ainda no em contato.