Corda Edelrid Boa

Revisão de Gus Hudgins publicado na revista digital Climber

Eu já analisei um bom número de produtos ao longo dos anos, mas quando eu fui chamado a fazer a avaliação de uma corda eu fiquei relutante. Eu recentemente havia passado por uma experiência desgastante com minhas próprias cordas que tinham desgastado nas extremidades e havia em uma única área pelo menos dois incidentes em que eu fiquei pendurado por uma corda que tinha exposto a alma, o que não é uma experiência muito agradável.

Então, durabilidade é sem dúvidas um fator crucial quando eu vou selecionar cordas hoje em dia, e teoricamente, quanto mais grossa a corda maior sua durabilidade. Eu desisti da oferta de experimentar uma corda super fina de 8.6 mm e uma corda gêmea de 6.9 mm e através do processo de eliminação eu terminei ficando com a Edelrid Boa de 70 m.

Eu nunca havia tido uma corda Edelrid antes, mas estava realmente interessado em experimentar uma, já que sempre me pareceu ser a corda que todo mundo tinha uma na rocha e nas oportunidades em que eu usei uma para escalar eu sempre me impressionei, mesmo com cordas velhas que ainda pareciam perfeitas para o uso e pela sua performance. a Edelrid Boa de 9.8mm provavelmente representa o melhor diâmetro para mim, eu usei-a majoritariamente durante escalada esportiva e em escaladas tradicionais por alguns meses já e estou satisfeito em reportar que ela vem mantendo sua reputação quanto a durabilidade e eu não precisei cortar as pontas ainda mesmo tendo usado-a enquanto estou trabalhando nos bolts e proteções de vias antigas. Como eu mencionei, eu sou bastante pesado o que obviamente reflete em volume de uso da corda.

A Edelrid usa uma tecnologia em suas cordas que eles chamam de “proteção térmica” que é um processo de estabilização térmica que dá a corda uma sensação realmente agradável ao manusear-la, o principal benefício disto é que não sai na lavagem como alguns tratamentos de cordas, o que explica porque essa corda e outras usadas que experimentei da mesma corda ainda mantém uma manuseabilidade. Quando nova, a que eu testei estava bem lisa, mas performando bem num Gri Gri 2, em particular, foi fácil de usa-la e alimenta-la enquanto usando técnicas simples de dar segurança. (ex.: Usando o Grigri da mesma forma que usamos um sistema de freio padrão, que é a forma mais segura) ela ainda mantém a boa manuseabilidade após vários meses de uso e definitivamente não está surrada nem ressecada como estariam outras cordas que já usei.

A combinação de durabilidade e manuseabilidade definitivamente significam que ela é uma corda para todo tipo de uso e a única vez que eu experimentei algum arrasto foi em vias com esticões particularmente longas (acho que algo em torno de 30/40 metros). Definitivamente nada que não pudesse ser resolvido com algumas costuras mais longas mas é um preço pequeno a ser pago por usar uma corda mais grossa. Falando em preço a Boa de 70 m em torno de 145 Libras Esterlíneas e eu definitivamente já paguei mais caro por cordas que me impressionaram muito menos.

 Como era de se esperar, o meio é marcada e um ponto de interesse final das cordas Edelrid é ter sido “aprovada pela bluesign” (que é uma padronização na a manufatura de têxteis), o que não quer dizer que elas são fabricadas em um ambiente neutro, afinal de contas elas são fabricadas com nylon, mas é um importante passo na produção de forma mais limpa possível e é um importante passo que a cada dia mais e mais marcas de produtos Outdoor estão dando.

Então para resumir, eu não vou citar nomes das más experiências que eu tive antes, mas para resumir após testar a Edelrid Boa de 9.8 mmm, definitivamente eu nunca experimentei uma corda tão boa! a ponto de levar em consideração experimentar a finíssima opção da Edelrid a Corbie de 8.6 mm como uma ferramenta especial para vias muito longas e para vias à vista.

Detalhes Técnicos

Peso (g/m): 62

Proporção de capa (%): 40

Número de Quedas: 6

Impacto de Força (kN): 8.8

Alongamento dinâmica (%): 32

Alongamento estático (%): 9,3

Deslizamento de capa (mm): 0