Receita: Uma Fritada Amiga dos Escaladores

Se encha de energia com essa saudável e prática fritada.

Este artigo apareceu originalmente na climbing.com impressa de Agosto de 2015.

O que danados é uma fritada? Nós não tinhamos a menor ideia até que nossos amigos de rua no Laboratorio Skratch apresentaram essa boa fonte de energia para nós. Cheio de proteína magra de baixo valor calórico, vitaminas essencias (B2, B12, A e E) e minerais vitais, os ovos são um superalimento natural, por isso não é nenhuma surpresa que essas pequenas esferas nutritivas são um ótimo alimento para escaladores. Adicionar ao fato de que eles vão mantê-lo energizado sem pesar no seu intestino como alguns alimentos processados, o Delicioso cogumelo e a fritada, desenvolvidos especialmente para atletas, deveriam estar no topo do menu. Fritada é um derivado da palavra italiana para cozinhado, mas esta receita economiza calorias e gorduras desnecessárias cozinhe-os em pequenas formas de bolo. Use os ingredientes listados ou misture quaisquer vegetais e ervas que você tenha a disposição. Cada um desses “bolinhos” é 65% agua, o que os torna de fácil digestão e incluem arroz que oferece um bom equilíbrio entre carboidratos e proteínas no ovo que irá alimentar o seu corpo, independente se você está escalando ou treinando.

Ingredientes:

  • 2 xícaras de cogumelos picados
  • 1/2 xícara de cebola picada
  • 1/4 de xícara de salsa picada
  • 2 xícaras de arroz cozido
  • 4 ovos (ligeiramente batidos)
  • 1/2 xícara de queijo suiço ralado
  • 1 colher de chá de sal do himalaia
  • 1 colher de sopa de queijo parmesão ralado
  • pitada de sal e pimenta

Modo de cozinhar:

Esquente o forno a 240º. Cozinhe duas xícaras de arroz branco ou 7grãos e deixe separado. Corte os cogumelos, cebolas e salsa. Bata levemente os ovos em um recipiente fundo. Esquente uma colher de azeite de oliva em uma panela até que a panela fique toda besuntada. Em fogo médio-alto, ponha os cogumelos, cebola e salsa até que os cogumelos fiquem macios e as cebolas translúcidas. Retire a panela do fogo até drenar todo o azeite em excesso. Combine tudo, mas o parmesão com os ovos e mexa uniformemente. Unte levemente uma forma pequena de bolo e preencha seis a oito espaços de forma que fiquem 3/4 cheias e leve ao forno por 15 minutos, ou até que os centros estejam firmes. Polvilhe queijo parmesão por cima e deixe derreter.

Fatos Nutricionais por porção (1/6 do total)

Energia: 174 calórias – Carboidratos: 15 g – Gordura: 9 g – Fibra: 1 g – Sódio: 292 mg – Proteína: 9g

Dicas

  • Jogue em uma pequena quantidade de bacon pré-cozidos ou salsicha para adicionar proteína
  • Use formas de cupcakes
  • Na geladeira duram até dois dias
  • Substitua os 4 ovos por oito ou 10 ovos brancos para diminuir o colesterol mas mantendo um alto valor protéico

Petzl Grigri 2 – Revisão

Nos 20 anos desde que o Petzl Grigri foi inventado, nenhum outro “freio assistido” tem conseguido competir com sua ergonomia, confiabilidade e performance. Até agora.

O Petz Grigri 2 é uma grande evolução do que já era um grande equipamento. Essa versão é menor e mais leve, funciona melhor nas cordas finas modernas, freia melhor do que antes e dá melhor controle quando descendo.

Eu testo muito equipamento, mas eu nunca vi algo criar tanto barulho entre escaladores na montanha e no ginásio. Em uma ocasião, o Grigri 2 foi na realidade roubado do meu pacote (“você sabe que é você seu holandes bastardo”). Após oito meses de testes eu posso dar minha opnião.

Petz recomenda usar o Grigri 2 com cordas de 8.9mm a 11mm; virtualmente qualquer corda simples disponível no mercado hoje em dia. Essa marca é a mais significativa melhoria sobre o Grigri anterior, que oficialmente deveria funcionar com cordas de 10 a 11 mm. Cordas tem afinado nas últimas duas década, e desde os dias de Clinton e do Rock Grunge, nenhum escalador de respeito que eu conheça usa uma corda mais grossa que 9.8mm, ainda assim a maioria continuou a usar o Grigri. Eu confesso que usei cordas tão finas quanto 9.1mm no Grigri antigo – e o equipamento travava bem em quedas, descer poderia ser dificil, trabalhoso e arriscado.

Eu coloquei o Grigri 2 sob um teste moderno: Usando uma corda escorregadia nova, 8.9mm, corda simples. Eu fiquei surpreso quão bem o Grigri 2 funcionou bem com essa corda desconcesrtantemente fina. Ele pegou quedas sem problemas, e até meu parceiro, que é mais pesado que eu 20kg, foi capaz de me baixar na corda 8.9 com total controle. Em comparação, eu testei meu antigo Grigri e não consegui fazer ele travar de forma alguma! Então esta confirmado: O Grigri 2 de fato funciona melhor com cordas finas.

Isto dito, a 8.9mm estava quase fina demais, para ser usada no Grigri2. Funciona, mas eu senti como se eu precisasse tomar cuidado com a corda escorregadias como eu fiz quando dei segurança com meu Grigri antigo e usei cordas novas e finas. Eu recomendo usar o Petz Freino – o mosquetão que permite redirecionar o final do freio e baixar com mais controle.

Ao contrário do espectro, eu testei o Grigri 2 com minha corda grossa e antiga de 10.2mm e ela passou pelo equipamento sem problemas. WOW isso é uma grande variação para um equipamento de freio assistido, sob qualquer perspectiva.

Com aproximadamente 170 gramas (5,9 onças), o Grigri 2 é 20% mais leve e 25% menor que seu antecessor. Parte da redução de peso vem do tamanho menor, mas a Petz também redesenhou a alavanca. Essa mudança é onde as duas peças se diferenciam. O Grigri antigo projetava a alavanca pra cima e pra fora quando se conectava o mosquetão; ele se projetava tanto que permitia que você o liberasse ao empurrar o peso sobre ele para baixo (sem precisar mover a alavanca). Anteriormente, era assim que eu liberaria corda para meu parceiro de escalada quando ele voltasse a escalar liberando o peso da corda. No entanto, a nova alavanca, mais magra não se projeta, não permitindo assim a alavancagem. Isto resulta em maior dificuldade para liberar sem abrir e puxar a alavanca para trás. Eu vejo isso como uma grande melhoria na segurança, pois fica mais dificil de liberar seu parceiro acidentalmente.

Esse novo design mais ergonomico, encaixa melhor sua mão e funciona melhor com a “nova técnica de segurança” para dar corda, agora recomendado pela Petzl.

Em comparação com o antigo Grigri, descer m escalador de baldinho com o Grigri 2 é como dirigir um carro com controle de tração e outro sem. O Grigri 2 lhe dar maior controle, graças a algo que a Petz chama de “descensão progressiva controlada”. Esse mecanismo foi descrito para mim como o oposto a um “arco composto” – no qual você o puxa para tras na linha e as polias do arco te ajudam a fazer força. O Grigri 2 é o reverso disto, a cada 3 graus que você o puxa de volta no processo de descida, as polias internas apenas abrem 1 grau. O resultado é uma descensão muito mais suave e controlada – algo que eu apreciei bastante enquanto rapelando ou descendo na minha corda de 8.9mm.

Escaladores de Tradicional, de muitas enfiadas e big-wall descobriram que o Grigri 2 cabe no baudrier melhor do que o seu antecessor.

Por: Rock and Ice (versão web) – Andrew Bisharat
Traduzido por Allysson Laurentino em 10 de Maio de 2016.

Quão costumeiramente você descansa?

Não há sequência ideal para dias de treinamento/descansos. No entanto, há algumas linhas gerais basicas que estruturam o seu treinamento, de acordo com seu nível de habilidade e metas ou na escalada ou na temporada de treino. Escaladores novatos de quarto a quinto grau são aconselhados a não escalarem mais do que três vezes por semana, a menos que sejam muito cautelosos e certifiquem-se que o dia seguinte sera muito leve, baseado na resistência. Escaladores medianos de sexto a sétimo grau devem manter três dias por semana como requisito básico semanal, e se quiserem evoluir terão que aumentar para quatro sem se lesionar e eles irão certamente evoluir rapidamente. Escaladores de ponta ou atletas de 8grau em diante vão precisar escalar de cinco a seis vezes por semana para manter evoluindo, mas não durante o ano inteiro e apenas nos picos de treinamento. A forma de fazer isso é fazer ciclos de intensidade em seus dias consecutivos como por exemplo dia dificil (provavelmente treinamento de força) então um dia médio (força/resitência) e então um dia leve (resistência) e finalmente um dia de descanso e repita.

Se você realmente quer ficar forte, então você pode fazer melhorias usando a estrutura do dia-a dia quando se fala em ganhar força, sempre é melhor aumentar a qualidade do descanso e treinar mais do que a quantidade. Desenvolver a resistência é um mero fato de focar um tempo. Um calendário de dois dias de treino e um de descanso vai funcionar bem, ou até melhor três dias de treino por um de descanso.

No começo da temporada de treinamento seria imprudente começar a fazer quatro a cinco dias por semana, uma vez que seu corpo não esta preparado paa isso. No entanto, você pode trabalhar para alcançar a meta e ir aumentando o número de dias de forma a justar os exercicios progressivamente. Técnicos referem-se a isso como desenvolver o físico para treinar. Finalmente, quando a temporada de escalada ou uma importante viagem se apróxima, você pode começar a reduzir o número de dias por semana para descansar e estar no auge.

Se você não se cansar de planejar seu treino apropriadamente, então uma boa combinação para um escalador mediano é boulder e treinamento de força no primero dia, vias e resistência no segundo dia e descanso no terceiro dia. então repita.

Por: Rock and Ice (versão web) – Neil Gresham
Traduzido por Allysson Laurentino em 09 de Maio de 2016.