Como fabricar seu próprio Chalk Bag

Publicado originalmente em climbing.com por Lucas Lombardi (tradução livre)

Como fabricar seu próprio chalk bag: Se você souber usar uma máquina de costurar, em 15 minutos você será capaz de fabricar seu próprio chalk bag com menos de 10,00 Reais, usando uma calça jeans velhas e alguns poucos itens. Você poderá economizar algum dinheiro, mas o estilo e a personalização serão únicos.

Materiais:

  • uma tira de tecido duro, felpudo como veludo, cordura, lona ou jeans. Este será o lado de fora do seu saco de magnésio, de modo criativo. Eu usei o bolso de um velho par de jeans e costurei-o para a parte de fora, fazendo uma bolsa para lanches ou qualquer outra coisa que precisar.
  • Um círculo duro no diâmetro que você quiser fazer o chalk bag.
  • Um círculo de diâmetro um pouco menor.
  • Duas fitas velhas de escalada para a cintura.
  • Uma presilha para fechar os cabos.
  • Cordelete fino o suficiente para que as duas pontas passem pela presilha.

Instruções:

  1. Pegue o tecido velho de jeans, dobre-o ao meio longitudinalmente, de dentro para fora, e costure as pontas para formar um tubo.
  2. Costure a parte inferior do tubo em a, com o lado bom voltado para dentro.
  3. Vire o tubo do lado direito para fora. Escolha onde você quer que a fita vá correr (note que a borda do saco irá dobrar mais para o interior e se sobrepõem o forro). Corte o buraco ligeiramente menor do que o anel que você está usando e instalar o anel.
  4. Repita os passos 1 e 2 com o material felpudo.
  5. Passe a presilha dos cabos pelo cordelete e amarre nós nas extremidades do cordelete para evitar que a presilha caia.
  6. Deslise a fita através da presilha no saco principal, enrole-a em torno do forro e coloque o cabo dentro do saco principal. Não costure saco e forro juntos.
  7. Determine onde você vai querer que fique a fita da cintura e deslise as pontas entre o forro e o saco.
  8. Agora dobre a borda do saco para baixo e sobreponha com um revestimento e costure o saco e forro juntos. Nas fitas da cintura o saco não pode sobrepor-se ao forro com costura dupla nessa área.

 

Encha com magnésio e vá escalar.

 

 

Treinamento: Condicionamento avançado para a Escalada Alpina

Publicado originalmente em climbing.com por Rob Shaul (tradução livre)

Treine com um atleta profissional para longas subidas com uma mochila pesada

Abordagens íngremes, cargas pesadas e dias inteiros fazendo ascensão na montanha é um assunto sério. Da mesma forma, os escaladores com grandes metas alpinas devem tomar a sério a sua preparação física. Em agosto de 2015, os editores de escalada Shannon Davis e Julie Ellisson, se dirigiam para Cirque das Torres na escada de Wind River de Wyoming para tentar um de dois dias para fazer a travessia. Cobrindo 19 milhas (  ), 10.000 pés (  ) de ascensão vertical e uma dezena de enfiadas de escalada técnica e rapel. A travessia do Cirque é um link de noves picos de escalada técnicas. Nós trabalhamos com Rob Shaul, um treinador de força e condicionamento que tem treinado os esquiadores e alpinistas profissionais e tem liderado um programa de atletismo de montanha da North Face, para projetar um plano de formação adequado e detonando no planejamento de treinos para longos dias de alpinismo.

Comece Aqui

Este programa é de sete semanas e deve começar de acordo com as datas da viagem: por exemplo, nossas datas foram de 22a 24 de agosto, então começamos o plano em 7 de julho. Para começar o planejamento você vai precisar de um alto nível de aptidão mínima: Você deve ser capas de rodar 12 milhas ( ) e fazer 1.000 pares de steps com um peso de 25 libras ( ). isso pode parecer assustador, mas é completamente factível com o que Shaul chama de treinamento de “rampa de acesso”. Ele sugere um plano de quatro semanas que inclui corrida e força da core. Intervalos de corrida e sprints na montanha (Pesquise sobre: “força para alpinismo”). dois dias, descansar um dia, e executar mais um dia de intervalos. Fazer uma corrida de oito milhas ( ) em ritmo moderado para o quinta e último dia. Em todos os cinco desses dias, incluindo o dia de descanso do meio fazer 25 a 30 minutos de rotina de fortalecimento da core.

Este programa reflete diretamente as demandas de fitness do evento escolhido (Caminhadas de subida/descida, subindo a trilha correndo com carga, aumentando a resistência, etc…) e fará exame de disciplina física e um compromisso de tempo significativo para ser concluído. Este é o treinamento como um atleta profissional. O plano é progressivo, por isso fica mais difícil, uma vez que continua. Compromisso com a formação demonstra um respeito pelas montanhas e para o esporte da escalada.

Equipamentos necessários:

  • Escalada de Ginásio ou Escalada em rocha;
  • Mochila de ataque (20 litros);
  • Sapatos de aproximação;
  • Monitor de Frequência Cardíaca;
  • GPS ou um relógio com GPS para medir as distâncias;
  • Rolo de espuma;
  • Caixa;
  • Banco ou Escadas

Diretrizes do Programa:

Domingo e Segunda são dias de descanso.

Nos dias que são marcados com um asterisco, usar sapatos de aproximação e 25 libras de peso.

Se prepare para o treino (não para o aquecimento).

Use o rolo de espuma para treinar as pernas e a parte inferior das costas todos os dias.

Para escalar sessões, escolha quatro problemas de boulder dois graus acima do seu máximo. Os não boulderistas devem focar em V0 e V1, cada série deve ter quatro problemas sem descanso entre as ascensões. Você vai descansar um minuto após cada conjunto. Se o ginásio estiver ocupado escolha dois problemas e suba cada um duas vezes para obter um total de quatro subidas.

Planeje os seus sábados em torno destes mini-eventos ou longos dias projetados para se preparar para a travessia.

Corra e faça os steps com peso e escala no ginásio.

Para mini-eventos, faça 1, 2 e 3 sem descanso. Faça a primeira execução no ginásio de escalada, conclua e faça a série de steps e escale (com tênis de aproximação).

Então faça a próxima corrida.

Durante a semana vai durar de 60 a 90 minutos. O Mini evento do sábado deve durar um pouco mais que 3 horas. Escolha os melhores dias de descanso para a sua programação e ajuste-se conforme a mesma.

Seja consciente. Se você não puder fazer um dia, continue de onde parou. O planejamento ficará mais difícil por isso não pule exercícios.

Use um banco de 16 a 18 polegadas (30 a 40 centímetros) ou degraus para os steps.

Foque em fazer todas as zonas de frequência cardíaca. Se o seu ritmo cardíaco é sempre muito alto, volte a sua intensidade. Se estiver mais avançado no planejamento e o seu ritmo cardíaco estiver muito alto ou muito baixo (apesar de você ter seguido todo o planejamento), você poderá estar sofrendo de excesso de treino, assim que perceber os sintomas: Nenhuma motivação, dificuldade em dormir e falta de apetite. Se estes sintomas estiverem presentes pare de treinar e tire uma semana de folga. (veja aqui alguns vídeos de exemplo de exercícios)

Calendário de treinamento:

Semana 1

TERÇA (Resistência e Força)

Aquecimento: 3 séries de 25 steps, 5 apoios, 10 abdominais
1. Complete O teste conforme indicado abaixo

QUARTA (Resistência da Escalada)

1. 4 séries: 4 problemas, descansar 1 min (entre os problemas).
2. Descansar 5 min.
3. 4 séries: 4 problemas, descansar 1 min (entre os problemas).
4. Descansar 5 min.
Repetir (Total de 16 séries)

QUINTA (Força da Perna e da Core)

Aquecimento: 3 séries de 8 agachamentos, 8 apoios, 8 abdominais, Alongamento de Panturilha
1. 8 séries: mini leg blaster, 6 apoios
2. 3 séries: 30 segundos de abdominais, 30 segundos apoiado nos ante-braços em posição de apoio, 30 segundos de descanso
3. corrida de 10 km (zona cardíaca 1 e 2)

SEXTA (Tempo & Resistência)

4 séries: 185 steps na Zona cardíaca 3, 800 metros de corrida na Zona Cardíaca 2

SÁBADO (Mini Evento Longo)

Use terreno acidentado para todos os mini-eventos se possível.
1. 12 km de corrida
2. 3 séries: 750 steps, 4 Problemas de boulder V1/V2 (sem parar)
3. 12 km de corrida

Semana 2

TERÇA (Resistência e Força)

Aquecimento: 3 séries de corrida de 200 metros, 20 steps, alongamento de panturrilha

1. 5 séries: 3 min. steps na Zona Cardíaca 4, 1 min. flexão de quadril

2. 8 séries (sem descanso): mini leg blaster, 6 apoios
3. 5 séries: 3 min. de corrida na Zona Cardíaca 4, 2 min. corrida na Zona Cardíaca 1

QUARTA (Resistência da Escalada)

O mesmo da Semana 1

QUINTA (Força da Perna e da Core)

O mesmo da Semana 1

SEXTA (Tempo & Resistência)

4 séries: 200 steps na Zona Cardíaca 3, 800 metros de corrida na Zona Cardíaca 2

SÁBADO (Mini Evento Longo)

1. 15 km de corrida
2. 3 séries: 775 steps, 4 boulders V1/V2 (sem descanso)
3. 15 km de corrida

Semana 3

TERÇA (Resistência e Força)

Aquecimento: mesmo da semana 2
1. 5 séries: 3 min. steps na Zona Cardíaca 5, 1 min. flexão de quadril
2. 2 séries (sem descanso): full leg blaster, 8 apoios
3. 4 séries (sem descanso): mini leg blaster, 8 apoios
4. 5 séries: 3 min. de corrida na Zona Cardíaca 5, 2 min. correndo na Zona Cardíaca 1

QUARTA (Resistência da Escalada)

Mesmo da semana 1

QUINTA (Força da Perna e da Core)

Aquecimento: Mesmo da semana 1
1. 2 séries: full leg blaster, 8 apoios
2. 4 séries: mini leg blaster, 8 apoios
3. 4 séries: #2 da semana 1
4. 10 km de corrida na Zona Cardíaca 1-2

SEXTA (Tempo & Resistência)

4 séries: 100 steps na Zona Cardíaca 3,  1.200 metros de corrida na Zona Cardíaca 2

SÁBADO (Mini-Evento Longo)

1. 15 km de corrida
2. 3 séries: 800 steps, 5 problemas de boulder V1/V2 (sem descanso)
3. 15 km de corrida

Semana 4

TERÇA (Resistência e Força)

Aquecimento: 2 séries da semana 2
1. 5 séries: 4 min. steps na Zona Cardíaca 4, 2 min. posição do pombo
2. 2 séries (sem descanso): full leg blaster, 8 apoios
3. 4 séries (sem descanso): mini leg blaster, 8 apoios
4. 5 séries: 4 min. de corrida na Zona Cardíaca 4, 2 min. corrida na Zona Cardíaca 1

QUARTA (Resistência da Escalada)

Mesmo da Semana 1

QUINTA (Força da Perna e da Core)

1. 4 séries: 200 steps na Zona Cardíaca 3, 3 km de corrida na Zona Cardíaca 2
2. 3 séries (sem descanso): full leg blaster, 10 apoios
3. 2 séries (sem descanso): mini leg blaster, 10 apoios
4. 4 séries (sem descanso): #2 da Semana 1

SEXTA (Tempo & Resistência)

12 km de corrida na Zona Cardíaca 1-2

SÁBADO (Mini-Evento Longo)

1. 20 km de corrida
2. 3 séries: 825 steps, 5 problemas de boulder V1/V2 (sem descanso)
3. 20 km de corrida

Semana 5

TERÇA (Resistência e Força)

Alongamento: 4 séries da Semana 2
1. 5 séries: 5 min. steps na Zona Cardíaca 4, 2 min. alongamento na posição do pombo
2. 3 séries (sem descanso): full leg blaster, 10 apoios
3. 2 séries (sem descanso): mini leg blaster, 10 apoios
4. 5 séries: 5 min. de corrida na Zona Cardíaca 4, 2 min. de corrida na Zona Cardíaca 1

QUARTA (Resistência da Escalada)

Mesmo da Semana 1

QUINTA (Força da Perna e da Core)

1. 4 séries: 225 steps na Zona Cardíaca 3, 3 km de corrida na Zona Cardíaca 2
2. 3 séries (sem descanso): full leg blaster, 10 apoios
3. 4 séries (sem descanso): mini leg blaster, 10 apoios
4. 5 séries (sem descanso): #2 da semana 1

SEXTA (Tempo & Resistência)

8 km de corrida na Zona Cardíaca 1-2

SÁBADO (Mini-Evento Longo)

1. 25 km de corrida
2. 3 séries: 850 steps, 6 Problemas de Boulder V1/V2 (sem descanso)
3. 25 km de corrida

Semana 6

TERÇA (Resistência e Força)

Alongamento: Mesmo da semana  5
1. 5 séries: 5 min. steps na Zona Cardíaca 5, 2 min. alongamento na posição do pombo
2. 4 séries (sem descanso): full leg blaster, 12 apoios
3. 5 séries: 5 min. de corrida na Zona Cardíaca 5, 2 min. de corrida na Zona Cardíaca 1

QUARTA (Resistência da Escalada)

Mesmo da Semana 1

QUINTA (Força da Perna e da Core)

1. 4 séries: 250 steps na Zona Cardíaca 3, 3 km de corrida na Zona Cardíaca 2
2. 4 séries (sem descanso): full leg blaster, 12 apoios
3. 5 séries (sem descanso): #2 mesmo da semana 1

SEXTA

Dia de Descanso

SÁBADO (Mini-Evento Longo)

1. 25 km de corrida
2. 3 séries: 900 steps, 6 Problemas de Boulder V1/V2 (sem descanso)
3. 25 km de corrida

Semana 7

TERÇA (Resistência e Força)

Alongamento: Mesmo da semana 5
1. 5 séries: 5 min. steps na Zona Cardíaca 4, 2 min. posição do pombo
2. 3 séries (sem descanso): full leg blaster, 10 apoios
3. 2 séries (sem descanso): mini leg blaster, 10 apoios
4. 5 séries: 5 min. de corrida na Zona Cardíaca 4, 2 min. corrida na Zona Cardíaca 1

QUARTA (Resistência da Escalada)

Mesmo da semana 1, só que apenas 8 séries totais

QUINTA

Dia de Descanso

SEXTA

Dia de Descanso

SATURDAY

Dia de Descanso

Teste do Limiar Lático (LT)

  1. Aquecimento de acordo com o calendário, então faça 1,000 steps conforme detalhado abaixo.
  2. Complete 200 steps o mais rápido possível com o frequencimetro marcando a frequência cardíaca e o tempo total.
  3. Após completar 200, tire um descanso e marque a próxima frequência cardíaca.
  4. Complete 800 steps o mais rápido possível.
  5. Grave sua frequência cardíaca ao final dos 800 steps. Esse é o seu limite conforme o teste “limiar lático (LT)” no qual todo esse treinamento aqui planejado esta baseado.
  6. Use as porcentagens a seguir do seu teste LT para achar sua meta de frequência cardíaca para cada zona listada no seu planejamento: Zona 1 é <84%; Zona 2 é 85-89%; Zona 3 é 90-94%; Zona 4 é 95-99%; Zona 5 é 100-106%.

O Especialista em força e condicionamento Rob Shaul iniciou o Mountain Athlete em Jackson, Wyoming, em fevereiro de 2007 para treinar skiadores, escaladores e outros atletas extremos de esportes outdoor. Desde então, ele treinou uma duzia de atletas profissionais e mais recentemente ele associou-se ao programa de atletas de montanha da The North Face’s para planejar para cada atleta outdoor completar objetivos grandes e importantes.

Patu

Patu é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte, Nordeste Brasileiro, na região Oeste Potiguar e a Microrregião de Umarizal. Com área de 319,129 km2 e população de 11.664 habitantes, sendo o 48º maior em população do RN, conforme censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Período de chuvas e de Março a Maio, conforme indice histórico

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas
registrados em Patu por meses (EMPARN, 1911-presente)[13] [14]
Mês Acumulado Data Ref Mês Acumulado Data Ref
Janeiro 150 mm 19/01/1961 [15] Julho 80 mm 05/07/1964 [16]
Fevereiro 158 mm 04/02/1951 [17] Agosto 66,4 mm 08/08/1918 [18]
Março 183 mm 26/03/1954 [19] Setembro 38,5 mm 18/09/1923 [20]
Abril 220 mm 17/04/1952 [21] Outubro 94,5 mm 15/10/1976 [22]
Maio 260 mm 07/05/1952 [23] Novembro 103 mm 08/11/1981 [24]
Junho 109,2 mm 01/06/1987 [25] Dezembro 95 mm 21/12/1946 [26]

Fonte: wikipedia

Segundo o Ministério da Integração Nacional, Patu está incluído na área geográfica de abrangência do clima semiárido brasileiro, definida em 2005. Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico, o índice de aridez e o risco de seca.[27]

A Escalada em Patu está nos seus passos iniciais, hoje contando com apenas 5 vias de escalada e milhares de possibilidades, tendo surgido por volta de 2014/2015 no Pico do Pelado e na Serra do Lima, onde há o cruzeiro e atualmente a maior via de escalada do RN, que junto com a Cachalote em Quixadá/CE se tornam as maiores vias do Nordeste.

Acessadas pelo Santuário de Nossa Senhora dos Impossíveis, construído em 1758,  a 310 km de Natal (Capital Potiguar).

No inicio de 2016 foi concluída a abertura da Via Crucis (veja o croqui aqui) que passou a ser até então a maior via de escalada do RN, chegando a incríveis 530 metros, a via foi aberta pelo escalador Brito Filho com apoio de Heráclito Patrício, Charles – Challera, Allysson Laurentino e Zé Doido, morador local que a anos vive em contato com praticantes de Voo Livre, seja Parapente ou Asa Delta, uma vez que Patu tem das melhores condições de voo do mundo,  Zé Doido fez a linda trilha de acesso e inicio da via que leva o seu nome “Trilha do Zé Doido”.

A Primeira Ascensão (First Ascenscion – FA) foi realizada pelos Conquistadores Brito FIlho e Charles em 04/03/2016 após apenas 3 investidas, algo inusitado para uma via desse tamanho.

Foto da P6 do acervo pessoal de Brito Filho

Allysson Laurentino saindo da P9 para a P10, do acervo pessoal de Brito Filho.

Ainda em 2016, Brito Filho e Denn Malloy conquistaram a via Morada dos Deuses, com seus 720metros, tornou-se então a maior via de escalada do Nordeste, um mês após sua conquista ele teve sua primeira repetição onde os escaladores fizeram um bivaque e dormiram no meio da parede a 480 metros do chão, será que teremos em Patu um autêntico Big Wall nordestino? o certo é que os escaladores que gostam de vias tradicionais de escalada alpina, estão gradativamente voltando os olhos para Patu.

Em maio de 2017, foi realizado a ATM (Abertura de Temporada de Montanhismo), idealizada por Brito, tornou-se realidade com o apoio de diversas instituições e principalmente pelos Patuenses que abraçaram também a escalada. Na ATM diversos escaladores do Nordeste compareceram, entre paraibanos, pernambucanos, cearenses e Norte rio grandenses, além da presença ilustre de alguns estrangeiros que já frequentam o cenário potiguar da escalada.

Atualmente há o Abrigo Patugônia, No mirante da serra, atualmente o principal ponto de apoio para os escaladores e conquistadores que desejarem visitar Patu.

Para mais informações, Brito disponibiliza seu contato (brito.rn@gmail.com).

Como chegar em Patu:

  • Distância de Natal – 310 km aproximadamente (3 horas).
  • Pegue a BR-304 até Assu passando por Parnamirim, Macaíba, Santa Maria, Riachuelo, Lajes, Angicos, Itajá e Assu saindo de Assu pegar a RN 233 em direção Triunfo Potiguar por 48 km até a BR 226 em Direção a Campo Grande por mais 20 km, na rotatória chegando a Campo Grande siga a esquerda mantendo-se na BR 226 até Patu por mais 32 km passando por Janduís, Messias Targino e finalmente Patu).

As coordenadas geográficas são:

  •  Latitude: -6º6’0”
  •  Longitude: -37º38’0”
  •  Altitude: 227 m

Mapa Topográfico de Patu