A Nuca de um segue

Publicado originalmente em climbing.com por Dra.Carla Cupido (tradução livre)

Apesar de “A Nuca de um segue” não ser um diagnóstico ortopédico oficial, é de fato uma dor chata para a maioria dos escaladores. Nós focamos tanto em evitar lesões durante a escalada que ignoramos a possibilidade de uma dor crônica de dar segue. É particularmente ruim porque ao longo de horas gastas com sua cabeça virada para trás ou torcida de forma estranha podem causar estragos em partes vitais do corpo, como a coluna e o pescoço. Todo mundo já sofreu disso – a sua nuca tocando as costas, olhos para cima com atenção no seu parceiro e ficando impacientes, esperando apenas que o parceiro acelere e termine logo a via, de modo que você não tem mais que ficar naquela posição esticada dolorosamente. Como escaladores, usamos o termo “nuca de um segue” para referirmos qualquer dor na nuca ou na parte superior das costas, mas há muitos diagnósticos diferentes na verdade. Leia este artivo para entender as causas e achar uma solução.

Tensão Muscular

Quando sua cabeça esta parada na posição vertical e sobre seus ombros, o impacto da gravidade sobre os músculos do pescoço é insignificante. No entanto, quando sua cabeça se move para frente, para os lados ou para trás de modo que ele não fica centrado sobre seus ombros, a gravidade puxa sua cabeça para baixo e os músculos próximos passam a apoiar o seu pescoço. Muito disto fará com que a musculatura fique tensa em excesso, o que pode ocorrer na parte frontal, lateral e posterior do pescoço.

Irritação das Juntas Vertebrais

Vértebras ficam empilhadas umas sobre as outras como blocos divididos por pequenos travesseiros, chamados de discos. Vértebras conectam-se através das articulações, que estão localizados no lado de trás da coluna vertebral. Quando sua cabeça esta na posição vertical, eles têm um espaço agradável entre eles; Este espaço aumenta quando você lha para o seu dispositivo de segurança (conhecido com o flexão) e diminui quando você olha para o seu parceiro de escalada (conhecida como extensão). Olhando para cima na prática deixa as vértebras pressionadas nas juntas das articulações. A longo prazo, essas juntas ficam inflamadas e relatam dores para o cérebro. Esta dor pode permanecer local ou piorar. A condição pode progredir para causar irritação neurológica e a dor vai começar a irradiar abaixo da área inicialmente irritada para baixo em sua parte superior das costas e ombros.

Irritação da Raiz Nervosa

A Coluna protege a médula espinhal. Entre cada bloco vertebral a médula espinhal dispara um nervo que sai da coluna vertebral e fornece determinados tecidos (músculos, pele, ossos, etc.) com outros nervos que permitem que nossos corpos para mover e sentir. Quando há inflamação em qualquer área ou outra obstrução que interfere com a via deste nervo, ele fica com raiva e deixa seu cérebro saber por meio da dor. Obstruções poderia incluir qualquer coisa de inflamação para as articulações ou mudanças degenerativas dos ossos.

Síndrome do desfiladeiro torácico (TOS)/ Compressão do nervo

Quando seus músculos ficam tensionados, eles podem pressionar nervos que passam através e por baixo deles, similar a quando sua corda velha e suja não corre suavemente através do seu freio. Há basicamente menos espaço disponível para o nervo passar devido a pressão e a inflamação. Uma nuca tensionada pode pressionar os nervos que passam através dos seus ombros, braços e mãos.

Dicas de prevenção

Alguns poucos problemas podem evoluir com o tempo devido a movimento repetitivo de “dar segue”, incluindo dores de cabeça devido a tensões musculares e irritações das juntas bem como mudanças degenerativas (artrite). Prevenção é a chave. Independentemente da sua dor especifica ou do diagnóstico as dicas a seguir vão lhe proporcionar algum alívio.

Altere o Equilíbrio

Dependendo da escalada ou da cordada, isso pode não ser possível. No entanto, quando você muda seu posicionamento dos pés, pode mudar o angulo em que você olha para seu parceiro.

Movimento é o Lubrificante

Quanto mais você mover o pescoço ao redor, menos o seu pescoço vai sofrer. Esteja atento ao seu parceiro de escalada, mas depois de um clipada ou enquanto ele estiver descansando aproveite para movimentar-se. Olhe para cima, olhe para baixo, incline a orelha direita para o ombro direito, orelha esquerda para ombro esquerdo, vire a cabeça para a direita e esquerda. Variar a posição é provavelmente a coisa mais importante que você pode fazer para evitar a dor na nuca.

Obtenha algumas bolas

Duas bolas de tênis em uma meia pode se tornar seu melhor amigo na rocha. Deite de costas e posicione cada bola (na meia) na base da seu crânio sob os músculos do pescoços que ficam tensionados. Suavemente massageie sua nuca com as bolas ou áreas isoladas e simplesmente fique ali sobre as bolas ou áreas isoladas para ajudar aquela musculatura a relaxar. A meia mantém as bolas de saírem da posição. Preste atenção ao tipo de “dor”, você pode experimentar com isso: Se é aguda e insuportável, pare e descanse e considere parar por um dia. Se é dor geral e sensação de aperto, que esta funcionando,  você deve sentir como uma boa massagem.

Faça pausas entre uma segue e outra

Você ficaria malhando um projeto seu insistentemente, sem dar ao seu corpo alguma recuperação entre uma tentativa e outra? Claro que não! Dar segue não é tão diferente. Pequenos músculos são forçados a fazer trabalho intenso durante um longo período quando dando segue, assim como os flexores do ante-braço estão em uma escalada. Entre cada segue, faça alongamentos suaves ou usa as bolas de tênis como descrito anteriormente. A pausa não precisa ser longa, apenas alguns minutos, mas seus músculos e articulações precisam de algum tempo fora do posicionamento da segue.

Fortaleça os músculos flexores do pescoço

Um pescoço forte ajudará a apoiar sua cabeça pesada e diminuir as chances de se lesionar durante uma segue, então pratique movimentos fortalecedores com o queixo em casa. Sente-se ou fique de pé e chame a sua cabeça para trás sobre seus ombros. Não olhe para cima nem para baixo, basta trazer a cabeça de volta. Mantenha a posição por cerca de três segundos e repita 15 a 20 vezes por série, três séries no total. Você também pode fazer deitado no chão, achatando a parte de trás do seu pescoço até o chão.

Técnicas Profissionais

Se você já teve dor leve ou aguda crônica, pergunte ao seu médico sobre os seguintes tratamentos.

  • Técnica de Ativar Relaxamento (TAR), também conhecido como relaxamento miofacial, alivia o tecido cicatricial na mioface (tecido muscular e tecido facial que fica à direita sob a pele). Ele faz maravilhas sobre os músculos tensos por todo o corpo. Quando os músculos tensos são liberados, que muitas vezes pode aliviar dores articulares;
  • Técnica Gastron® esta se tornando muito popular na terapia esportiva. Seis instrumentos de aço inoxidável são usados com esta técnica para gerir o tecido da cicatriz na mioface pela aplicação de uma raspagem pressurizada nas áreas afetadas;
  • Mobilizações e ajustes por um manual licenciada da prática são uma forma extremamente eficaz de gestão de determinados tipos de dores nas articulações;
  • Agulhas (acupuntura, IMS, etc) podem oferecer um impacto potente e positivo na rigidez muscular e na dor das articulações.

Como um Quiropraticista, escalador e instrutor de Yoga em British Columbia, Canada Cupido (drcarlacupido.com) acredita na educação do paciente como a parte mais importante no tratamento e recuperação de lesões.

Treinamento: 6 Maneiras de tornar qualquer exercício mais especifico para a escalada

Modifique exercícios comuns para focados para o Climb.

Publicado originalmente em climbing.com por Jared Vagy (tradução livre)

A Maioria dos escaladores dedicados gastam tempo treinando em academias, mas muito do tempo gasto é desperdiçado na pratica de exercícios que influenciam minimamente nos movimentos para a escalada. Além disso, focar no fortalecimento de movimentos não eficientes podem levar a lesão quando escalando devido ao fato de que você não estar treinando os músculos apropriadamente para trabalharem em harmonia. As pesquisas recentes da ciência esportiva ( e da lógica e bom senso) suporta a teoria de que quanto mais um exercício foca no movimento no esporte, mais o exercício vai afetar positivamente na sua performance naquele esporte. Para a escalada, o segredo para o sucesso de um treinamento é manter a posição corporal semelhante ao posicionamento durante a escalada. Como um escalador e médico, eu desenvolvi seis regras básicas que podem ser aplicadas a exercícios comuns para tornar-los mais focados para a escalada. Ao fazer essas pequenas alterações e prestar atenção ao seu corpo do calcanhar a ponta dos dedos, você pode reduzir drasticamente a falta de eficiência de qualquer exercício, independentemente de ser levantamento de peso pesado ou apenas usando o peso do seu próprio corpo.

As 6  Regras

Para criar as regras a seguir, eu estudei as características mais comuns de uma postura “ideal’ para a escalada. Claro que um posicionamento perfeito do corpo vai variar de acordo com o terreno, ângulo, forma de segurar a agarra, etc…Mas você irá encontrar que estas sugestões refletem as posturas mais comumente usadas. Algumas dessas regras podem inclusive parecerem bem intuiticas, especialmente para escaladores mais experientes, mas pense sobre a última vez que você foi a uma academia – você possivelmente não tenha praticado nenhuma delas. No máximo, provavelmente uma ou duas dessas regras. Quanto mais você puder incorporar essas regras nos seus exercícios, melhor serão os benefícios do seu treinamento para a escalada. Isso irá até lhe ajudar a treinar a mente para ativar diferentes partes do corpo simultaneamente, o que irá lhe ajudar a ser mais fluido e intuitivo enquanto escalador.

  1. Peso nos dedos dos pés

Ao escalar você raramente transfere o peso para os calcanhares, a menos que você esteja usando uma chave de calcanhar, ou pisando para trás, de pé sobre uma laje ou então em uma chaminé. Com arestas, escala de faces, tetos negativos e até a escalada em fendas, os dedos dos pés fazem quase todo o trabalho para dar forças as pernas e equilibrar nas agarras. Então, quando estiver treinado para a escalada é importante mudar o peso para os dedos dos seus pés. Não jogue todo o peso do seu corpo para os dedos pequenos, mas pense sobre como fazer uma mudança suave do seu peso para a frente do seu pé e calmamente então vá levantando o seu calcanhar. Isso irá gastar 99% do seu tempo de escalada e provavelmente 0% do seu tempo de treinamento quando não esta escalando. Funciona melhor quando aplicado a exercícios que focam na parte superior do corpo, bíceps, ombros… como a maioria dos exercícios para a parte inferior já são naturalmente recomendados. Construa a resistência, fazendo levantamento nas panturrilhas, com ou sem preso, em seguida tente fazer uma perna de cada vez para imitar o movimento da escalada ainda mais próximo do real. Se isso é fácil demais tente executar um flag ao fazer o levantamento ou feche os olhos para adicionar o equilíbrio ao desafio.

2. Dobre os joelhos

Cada montanhista iniciante é iniciado a ideia de esticar seus braços para segurar o corpo ao invés de usar a energia preciosa dos bíceps, mas para que você possa esticar os braços você deve dobrar os joelhos. Isso irá fazer com que o peso do seu corpo saía dos seus braços e vá para as suas pernas, onde seu corpo tem músculos mais fortes e especialmente projetados para suportar e transferir o seu peso inteiro com mais facilidade e eficiência. Seus braços não são projetados para fazer isso. Com isso em mente, faça exercícios que treinem seus joelhos para dobrar enquanto seus braços alcançam ou puxam ao mesmo tempo. Faça exercícios de braça como extensões de tríceps e uma posição de agachamento, ao invés de em pé, vai ensinar os músculos das pernas para se envolverem durante o movimento do braço. Construir esta memória muscular vai te ajudar em todos os aspectos da sua escalada.

3. Utilize o abdômen

Manter a tensão da sua core (tronco) permitirão uma transferência de energia eficiente para os seus pés e mãos, e quanto mais estável você estiver durante a escalada, mais eficiente será sua movimentação. Os músculos da core raramente são usados para iniciar um movimento, então evite esses exercícios, o abdominal padrão por exemplo, não se assemelha com a escalada. Ao invés disso, foque mais em exercícios que mantêm o seu tronco estável enquanto movimentando os braços ou pernas, como executar a “prancha” e levantar um braço ou uma perna de cada vez. Tente manter o tronco enquanto está movimentando o membro escolhido em um movimento controlado, que é exatamente o que você poderá vir a necessitar durante uma escalada.

4. Retraia a omoplata

As omoplatas fornecem a base estável para a mobilidade dos braços. Quando você envolver os seus ombros, você pode aliviar o stress e o peso dos seus braços e ombros, ajudando a direcionar a força ao seu tronco. Para demonstrar isso, levante um peso acima da sua cabeça com as omoplatas relaxadas e ombros caídos para a frente, em seguida, levante o mesmo peso com as omoplatas retraídas para trás. Qual é mais fácil? Você vai notar o peso se sente mais leve para levantar que o último. Quando você envolver os seus músculos da omoplata, você dará suporte adicional para seus braços. Certifique-se de envolve-los puxando-os suavemente na direção da coluna durante todos os exercícios de treinamento, incluindo o treino no fingerboard.

5. Mantenha os braços acima dos ombros

A maior parcela da escalada envolve estarem acima da altura dos ombros. Há poucas situações onde os braços estão trabalhando abaixo da altura dos ombros (cristais, agarra baixa e travessias). Exercícios com as mãos abaixo dos ombros são dificilmente traduzidos em movimentos de escalada. Evite exercícios tradicionais de manguito rotador, onde seu cotovelo é dobrado 90º e gira a mão para fora de seu abdômen com resistência. Esse movimento não reflete como o manguito é acionado durante uma escalada. Fortaleça os ombros segurando seus braços para fora e acima de seus ombros com a resistência de uma fita ou banda.

6. Mantenha os cotovelos retos

Corrija os cotovelos quando escalando aderências e em negativos, colocando o peso no esqueleto e tirando-os dos ombros e bíceps. Isso permitirá uma maior circulação e mais eficiente uso da energia. A menos que você esteja focando em movimentos fortes de chaves com flexão dos bíceps, tente manter-los esticados durante outro treinamento, tais como círculos de braço e levantamento de braço esticado.

O Exercício Perfeito

Este exercício demonstra pressionar os braços para fora com a resistência de uma fita/banda (fortalece ombros), com os braços esticados acima da altura dos ombros enquanto colocando peso nos dedos dos pés, envolvendo o abdominal, dobrando os joelhos e retraindo a omoplata. Tente ser criativo com os seus exercícios e veja como muitos deles podem atender as seis regras.

Como se recuperar mais rapidamente com uma auto-massagem

Publicado originalmente em climbing.com por Terry Cross (Tradução livre)

Fazendo uma tonelada de coisas que você ama (Escalada, treino, escalada, escalada, treino, escalada…) naturalmente os músculos ficam mais rígidos, doloridos e lentos – especialmente o antebraço! Sem uma recuperação eficiente você pode experimentar uma queda no desempenho, um aumento na dor ou ainda pior, uma lesão. A chave para a recuperação rápida e eficiente é a liberação de ácido láctico e resíduos metabólicos, para que possa voltar no dia seguinte zerado. Estes procedimentos de auto-massagem simples irão te ajudar a fazer exatamente isso.

O Problema

Lesão por Esforço Repetitivo (LER) como tendinite não aparecem de um dia para o outro, daí o nome “repetitivo”. Quando os músculos específicos são utilizados intensamente, eles têm uma tendência a tornar-se mais curto, dendo e dolorido. As células musculares não deslizam ou percorrem facilmente uns sobre os outros para criar o movimento. Quando os músculos estão cronicamente curtos, eles criam um puxar (ou tensão) no local onde os músculos se encontram com os tendões ligando os ossos, tanto no cotovelo como no pulso e na mão. Este puxão constante pode eventualmente florescer e tornar-se crônica no cotovelo ou pulso. Além disso, a tensão muscular limita a faixa de movimento confortável (FMC), que reduz o desempenho (performance). Escaladores e atletas de todo tipo devem se esforçar para a gama completa do movimento, ou seja, os músculos se mover sem dor ou restrição. Manter o FMC completo significa desfrutar de seus níveis naturais de força e resistência com tempos de recuperação mais rápida e com menos lesões.

A Solução

Aprender e usar as técnicas de massagem como terapia em você mesmo podem liberar os músculos curtos e ajudar-lhe a recuperar a força total, além de um FMC sem dores. Você provavelmente tentou fazer o que as pessoas tem feito nos últimos milhares de anos: Esfregar o local dolorido com a mão livre. Você está no caminho certo, mas esse método vai ser difícil de retirar o ácido lático, especialmente quando amos os braços estão tijolados. Os passos a seguir vão lhe fornecer as técnicas corretas para ser verdadeiramente eficaz e fazer a diferença no seu tempo de recuperação. O primeiro passo é fazer ampla e geral massagem, a fim de aumentar o fluxo sanguíneo, o limpar o ácido lático e identificar pontos que facilitem esse processo. O segundo passo envolve a pressão necessária para disparar esses pontos e restaurar um FMC completo dos seus músculos.

As linhas gerais

Use a dor como um direcionador quando estiver fazendo pressão. Ache o ponto especifico e mantenha o tipo de pressão gostosa “aaaaaaah, isssoooo, que dooooor maravilhoooosa” –  a sensação de que algo gostoso está acontecendo com seus músculos quando você os pressiona com o movimento certo da massagem.  Se botar pressão demais a sensação de dor “machucante” vai aparecer e pode prejudicar seus músculos e isso não é o que queremos.

Massageie lentamente para achar seus próprios padrões e localizar os pontos que facilitam o seu processo. Você vai tender a ter pontos doloridos nos mesmos lugares específicos de como você envolve certos músculos. Faça com a mesma frequência com que escova os dentes: Comece com dois a três minutos, duas a três vezes por dia. Vá aumentando, quando seus músculos se acostumarem com isso.

Você pode fazer isso a qualquer momento: Antes, durante ou depois de escalar

Antes e durante vai te manter aquecido para aquele dia específico de escalada, enquanto depois vai te ajudar a recuperar-se melhor.

Ajuste suas expectativas de recuperação. Levou semanas ou meses para criar o seu problema, então permita que seus músculos se recuperem lentamente (ao longo de alguns dias ou semanas) recupere-os totalmente e volte a ter um FMC completo sem dores.

Beba mais água do que você esta acostumado. Adicione dois ou três copos de água a sua rotina normal. Isso irá hidratar seus músculos, ajudar a liberar o ácido lático e vai fazer parte da recuperação do seu corpo inteiro.

A Ferramenta

Ache a ferramente que melhor funciona para você. Use sua imaginação. Tudo é uma questão de como fazer! A Técnica supera tudo, independente do tamanho ou formato da sua ferramenta. Deixe de reclamar e faça, essa é a verdade. Deveria:

  • Amplificar sua força de massagem com uma massa concentrada, o que significa que tem um peso de um a três kg a mais.
  • Ter tanto uma superfície lisa e bordas, mas não afiadas que possam cortar ao pressionar a pele.
  • Seja de baixo custo ou gratuito e fácil de encontrar.

Exemplos:

Uma pedra lisa, robusta que você possa segurar com uma mão e possa ser encontrada no local.

Uma lata de cerveja ou de comida. Decida se você está com fome ou sede.

Levante os Braços

Você pode usar esse método para os seus bíceps e tríceps que podem encontrar ainda mais pontos que facilitem o processo. Siga os passos listados, mas enquanto você segura a borda da sua ferramenta no ponto superior do seu braço, flexione seu antebraço para cima (cerca de 20%), em seguida, estenda todo o caminho do cotovelo. Busque trabalhar em novas áreas na parte superior dos braços para recuperar os músculos tensos e recuperar a amplitude do movimento nessa área.

Técnica 1

Massagem Circulatória

Quase todo mundo que é hiperativo com seus braços e mãos tem um pouco de dor muscular, chamados pontos chave nos antebraços, bíceps e tríceps. Esses pontos chave dão limites ao FCM e só podem ser descobertos com o toque, o que significa que você só vai perceber quando a área ficar sensível.

Movimento: Descanse o braço machucado. Sonde com a parte plana ou a borda da sua ferramenta escolhida em um movimento amplo, circular com uma pressão leve, em geral. Mova alguns centímetros de cada vez, devagar e cuidadosamente se estiver sentindo dores.

Efeito 1: Isso estimula as células no geral facilitando a troca de nutrientes e oxigênio e faz o sangue se movimentar evitando que fique estagnado o que irá ajudar na circulação do lixo produzido pelo metabolismo celular.

Efeito 2: Vai te ajudar a localizar os pontos chave específicos para que você saiba onde massagear da próxima vez, ajudando-o a obter o seu  FCM completo.

Técnica 2:

Ponto de relaxamento/Relaxamento Ativo

Nas minhas poucas décadas de experiência, esta técnica terapêutica se mostrou a mais eficiente para recuperar o FCM completo. Alguns acham doloroso inicialmente, mas é a forma mais direta de liberar seus músculo de forma que eles voltem a se mover normalmente e suavemente.

Movimento:

Procure por pontos chave alguns centímetros abaixo do cotovelo na parte externa do antebraço. O músculo principal volumoso, extensor. Este músculo longo movimenta-se do cotovelo até a mão e controla a extensão dos dedos, pulso e cotovelo. Não preciso nem dizer que é muito importante para os escaladores. Ache o local de dor específico e então movimente a mão através do pulso para alongar os músculos do antebraço. Você vai senti-lo movendo-se abaixo da sua ferramenta. Mude o ângulo para alcançar as áreas de todos os lados e alterar ligeiramente o movimento da ferramenta para achar onde dói mais. A dor vai passar e mudar. Procure a dor gostosa.

Efeito 1: Não há outra técnica como essa para recuperar a FCM. A pressão desgruda essas células musculares que estão tensionadas umas nas outras, para que se alonguem e liberem a tensão, impedindo o encurtamento nos seus tendões.

Efeito 2: Lhe dará a consciência e confiança para manter seus braços e evitar uma lesão.

Terry Cross é um terapeuta massagista que vive no Maine e que ensina muitos de seus clientes a tratarem seus próprios braços e mãos com tendinite. Ele também inventou a “The Armaid”, um equipamento de massagem em si próprio (armaid.com)