Públicado em Climbing.com em 17/06/2016 por Craig DeMartino

 

Treze anos atrás, eu perdi uma parte da minha perna direita após uma queda ao chão de aproximadamente 30metros no Lumpy Ridge, Colorado. Voltar a escalar era o meu foco! é a minha vida. Mas esse novo estado tinha uma nova curva de aprendizado. Muito veriam ter apenas uma perna como algo negativo, mas eu percebi que eu ainda poderia escalar forte se eu reaprendesse a usar meu corpo, e o fator mais importante era o equilíbrio. Ter apenas uma perna mudou meus pontos de equilíbrio e entende-los foi crucial para o meu progresso e hoje eu consigo escalar vias que antes do acidente eu não conseguia. Ao longo do caminho, eu aprendi a escalar de forma mais inteligente e descobri que o que aprendi na minha batalha com o equilíbrio podem ser traduzidos para todos os aspectos da escalada e todos os tipos de escaladores. Compilei os melhores aspectos para aprimorar a técnica, até mesmo se você tiver as duas pernas.

 

  1. Encontre o Ponto central do seu equilíbrio

    Se você não sabe qual o seu centro de gravidade, estará sempre lutando contra ele. Retire um membro e seu centro de gravidade vai direto para a janela. Quando eu retornei a escalada novamente, eu ficava inclinado para a direita, uma vez que minha prótese era bem mais leve que a perna anterior. A maioria de nós escaladores escalam em um formato X ou na ideia de distribuição do peso em três pontos de contato, mas quando você perde uma perna não dá mais para escalar assim. Um truque que eu aprendi é segurar uma costura longa de pelo menos 40cm no loop do meu Baudrier. Escale para cima e o mosquetão vai balançar entre suas pernas e lhe permitirá saber onde é seu centro de gravidade. Faça movimentos que mantenham a costura no meio das suas duas pernas. A medida que você alcança lugares e agarras em particular, faça pequenos ajustes para ver a diferença entre sentir-se equilibrado e saindo do equilíbrio. Com o tempo, vai se tornar natural, e vocÊ vai poder antecipar e mitigar os pontos de desequilíbrio. Isso vai aprimorar a eficiência dos seus movimentos.

  2. Matenha-o Estranho

Quando você começa a escalar, você consegue faze-lo com os dedos  do pé apontando diretamente para a rocha ou o “estilo sapinho”, usando as partes internas dos seus pés e dedos, calcanhares levemente angulados de forma que fiquem próximos (os calcanhares).  A medida que você evolui e entra em escaldas cada vez mais dificeis, esses pontos isoladamente não serão suficientes para sobressair a técnica e à sequências intensas de equilíbrio. Três movimentos a mais abrirão um novo capitulo na sua escalada:  Pequenos degraus, Flag e “Subir no Joelho”. todos três mudam a posição das suas costelas (por tabela o seu centro de gravidade), gerando mais variáveis

    3. Escale com uma perna

Tente! Escale apenas com uma perna e deixa a outra solta ou anarrada enquanto se movimente de uma agarra para a outra. Gire suas costelas e a core para contra-balancear o equilíbrio. Mantenha-se baixo com suas mãos e abaixe-se no joelho então em um movimento fluído levante-se e vá a próxima agarra. A medida que sua mão alcança-a, posicione o seu pé na próxima agarra de pé. Certifique-se de identificar as agarras antes de ir. Desta maneira você mantém o foco na precisão. De primeira você sentirá que seu corpo está jogando para o lado da perna ausente. Apenas deixe que isso aconteça e use o movimento criado por ela para a progressão. Se você estiver tendo dificuldades para controlar o balanço gerado, incorpore a isso uma costura longa presa no meio de suas pernas, como descrito anteriormente. Combinar ambos os exercícios vai te ajudar a perceber como você deve se ajustar e você poderá visualizar e executar o movimento necessário. Não faça grandes movimentos e não se trave em excesso. isso irá apenas te cansar mais rápido e possivelmente te lesionar. Ao invés disso, foque em movimentos menores que irão lhe permitir descansar e contra-balancear com a perna ativa.

    4. Use seu corpo inteiro

Muito costumeiramente nós focamos em escalar apenas usando nossas mãos e subindo os pés apenas com as pernas, quando na realidade comprometer o corpo inteiro dos dedos das mãos aos dedos dos pés é o que precisamos. Uma grande parte disso é sua CORE: Oblíquos, bumbum, costas… Pense sobre ativar seu copro inteiro em cada movimento, você balançara menos e se sentira sob controle. Outra parte disso, especialmente importante para a escalada tradicional, é pensar em cada parte do seu corpo como uma um outro apêndice. Eu aproximo minhas costelas e meus joelhos da rocha por baixo dela ou para o lado. Em arestas,  eu inclino o ombro contra a rocha para descansar ou para fechar uma janela.

   5. Evite ficar vertical

Nós todos começamos a escalar para tentar manter nossos corpos na posição vertical, mas isso não te levará muito longe a medida que os movimentos ficarão mais difíceis e as vias variarem. Pense sobre escalar com uma perna apenas novamente, centralize-se sobre a perna ativa. Puxando seu copro para cima para manter o corpo alinhado e para baixo gastará energia desnecessária. Tente deixar suas costelas deslizarem para onde sua outra perna deveria estar; Esta posição deverá lhe deixar mais confortável e natural. Para mover-se para cima, mude o seu peso de volta para a perna ativa novamente, deixando a energia das suas costelas te moverem para a próxima agarra. Para mover em posição inversa, simplesmente levante-se o mais alto possível na sua perna ativa, novamente deixando o movimento vir de suas costelas.

Craig Demartino guiou a primeira ascensão por deficientes ao El Capitan em 2012 e ganhou o Campeonato Americano de Paraclimbing em 2014. Ele mora no Colorado com sua esposa e dois filhos.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *